A produção sustentável de alimentos e a garantia de uma alimentação saudável para todos incluem mudanças drásticas no pensamento dos produtores e consumidores sobre a agricultura e a alimentação.

A forma de proporcionar estas mudanças é através da educação de ambos os grupos. No caso dos produtores, estes precisam ser educados sobre os impactos positivos e negativos dos sistemas de produção atual e dos benefícios que ajustes ou mudanças destes sistemas podem trazer para a humanidade e o planeta. No caso dos consumidores, estes precisam ser educados sobre os reais benefícios e riscos de cada tipo de alimento disponível, eliminando o máximo possível as influências de notícias falsas e do marketing do medo e disponibilizando informações verídicas e fundamentadas. Assim, vamos buscar um pouco de luz na história do desenvolvimento da agricultura, para entender como chegamos até aqui e quais são as forças que impactam nossas opções de escolha de alimentos atualmente.

Estamos vivendo em uma época de superficialização da informação e banalização do conhecimento. Agricultores, pesquisadores, jornalistas, influenciados precisam publicar experiências, eventos e pesquisas sobre os fatores críticos que impactam a agricultura, a fim de garantir a produção de alimentos saudáveis para toda a humanidade. Esses são os melhores personagens que podem relatar a realidade em detalhes e profundidade sobre o sistema de produção de alimentos. Não podemos tratar disso como algo trivial, um modismo. Estamos falando de garantir a alimentação de bilhões de pessoas e o futuro das gerações futuras. Assim, não podemos tratar a produção de alimentos de uma forma superficial e banal.

A mudança começa no prato

Uma vez que consumidores passam a exigir melhores condições de produção de alimentos, agricultores passarão a focar nestas condições sem distrações, e esses, por sua vez, passarão a exigir que os outros elementos da cadeia produtiva passem a ser guiados por estes fatores apenas e não mais por notícias falsas ou medo. Por fim, o objetivo é ter consumidores e agricultores liderando as mudanças essenciais para garantir a produção de alimentos de uma forma sustentável, sem destruir o agricultor, o consumidor e o meio ambiente.

Assim, devemos oferecer informação aos consumidores para que entendam melhor o processo produtivo dos alimentos, podendo, então, fazer exigências mais construtivas para os agricultores e para que estes agricultores, dirigidos pela demanda do mercado, possam influenciar os outros elementos da cadeia, como governo e empresas varejistas, para uma convergência sobre uma nova forma de encarar a segurança alimentar no mundo.

A pergunta, então, não é somente como aumentar a produção de alimentos em 60% nas próximas três décadas, mas também como garantir uma produção mais sustentável para atender a demanda de todos os 9,7 bilhões de pessoas em 2050 e não somente de parte da humanidade, como ocorre hoje. Além disso, devemos questionar se os modelos de produção de alimentos atuais são sustentáveis e o quanto contribuirão para alimentar a população em 2050.

Para ajudar o leitor a entender melhor alguns dos conceitos e assuntos que temos discutidos neste blog, procuramos explicar um pouco como a cadeia de produção de alimentos está dividida. Existem três momentos da produção de alimentos: antes, dentro e depois da porteira. Antes da porteira refere-se às empresas e instituições públicas fornecedoras dos insumos utilizados pelos agricultores, como fertilizantes, máquinas e equipamentos, defensivos agrícolas e sementes. Dentro da porteira refere-se às empresas e instituições públicas fornecedoras de ferramentas para auxiliar no operacional do agricultor, como plantio, manejo de pragas, plantas daninhas, doenças e fertilidade do solo, colheita da produção e armazenamento dos insumos. Depois da porteira refere-se a empresas e instituições públicas que auxiliam o agricultor no armazenamento, conservação, logística e comercialização do produto agrícola. Agricultores, empresas, cooperativas, compradores, bancos, reguladores, consultores e consumidores constituem os principais grupos da cadeia de produção de alimentos.

Os geradores de informações são também responsáveis pelo futuro do planeta

Bem, já deu para perceber que o processo de alimentar o mundo não é simples. Desta forma, esperamos que este blog esteja ajudando o leitor a entender melhor as mensagens que recebe diariamente nas propagandas e redes sociais sobre os sistemas de produção dos alimentos. Existem vários outras excelentes iniciativas em blogs, páginas de influenciadores e empresas, organizações não-governamentais, livros, canais de comunicação, entre outros que buscam aumentar o entendimento por parte da sociedade em geral sobre a produção de alimentos.

No entanto, não podemos mais simplesmente descrever como funciona a cadeia de produção de alimentos. Sempre devemos conectar a forma de produção de alimentos com seus impactos na humanidade e no planeta. Ou seja, de agora em adiante a agricultura e a sustentabilidade devem andar de mãos dadas.

Sobre a agricultura, devemos descrever as principais inovações e revoluções que impactam a produção de alimentos e de como este sistema de produção é volátil, incerto, complexo e ambíguo. Também ressaltar a importância do capital e da tecnologia na guerra que os agricultores travam diariamente para garantir a alimentação a toda a humanidade.

Do lado da sustentabilidade, precisamos relatar como os sistemas atuais de produção de alimentos impactam a sustentabilidade econômica e como mitigar estes impactos em uma propriedade rural, ou sustentabilidade social, como mitigar estes impactos em uma comunidade rural, ou sustentabilidade ambiental, bem como diminuir estes impactos no planeta.

Por fim, o papel do Youagro é conectar mais a produção de alimentos com a sustentabilidade para que os consumidores entendam não somente a origem dos alimentos, mas como futuro de toda a humanidade e do planeta depende das melhorias da agricultura.

Caso tenha mais exemplos, alternativa ou ideias para tornar a produção de alimentos mais sustentável, envie para nós. Também adoramos receber sugestões, perguntas e comentários. Ou apenas deixe seu nome e e-mail abaixo para receber notificações de novos artigos.

Sobre o autor

Tederson é Engenheiro Agrônomo, PhD e MBA. Tem mais de 20 anos de experiência em pesquisa e desenvolvimento (P&D) de tecnologias aplicadas à agricultura. Também trabalhou nas áreas de estratégia e gerenciamento de produtos em multinacionais nos EUA, Brasil e Argentina. Além disso, atua como investidor-anjo de startups brasileiras. Atualmente, é diretor de P&D de uma startup que desenvolve tecnologias mais sustentáveis para o manejo de pragas na agricultura. Recentemente publicou o livro “Prato Meio Cheio, Meio Vazio: conquistas, desafios e alternativas para alimentar a humanidade sem destruir o planeta”.